Resenha: A Ascensão dos Nove – Pittacus Lore

A_ASCENSAO_DOS_NOVE_1348165400P

“Antes de encontrar John Smith, o Número Quatro, eu estava sozinha, lutando e me escondendo para continuar viva. Juntos, somos ainda mais poderosos. Mas isso só vai durar até precisarmos nos separar para localizar os outros. Fui até a Espanha em busca da Número Sete e encontrei mais do que esperava: um décimo membro da Garde, que conseguiu escapar vivo de Lorien. Ella é mais jovem que o restante de nós, mas igualmente corajosa. Agora estamos à procura dos outros — de John inclusive.” – Skoob

Cuidado esta resenha pode conter spoliers dos dois primeiros livros da série

Em a Ascenção dos Nove, voltamos a aventura de Jonh, agora para além de matar Setrakus Rá, resgatar Sam das mãos dos mogadorianos com seu novo aliado, o número Nove.

Enquanto isso, Seis e Marina e juntam a recém descoberta número dez Ella e seu Cêpan Crayton em busca do número 8, que eles acreditam ser o mais forte de todos.

Nem tudo acontece como eles planejam, mas com as novas descobertas e alianças formadas, e com Setrakus Rá na Terra esperando para tentar acabar com os últimos Lorianos antes que seus legados se desenvolvam até juntos ficarem mais fortes que ele.

Depois de descobrir o paradeiro do número oito, e seus legados, Marina, Seis e Ella, se juntam a ele para procurar Jonh, e assim se juntarem para o duelo final, mas isso não acontece como esperado.

Depois de um começo difícil, Nove e John começam a se entender, e descobrem que são aliados com um objetivo comum, e não o contrário.

Quando a reunião finalmente acontece e Setrakus Rá aparece, o autor consegue novamente com maestria nos deixar sem fôlego, não conseguindo para de ler até ver o final, e nos deixa com abstinência, esperando que o próximo seja lançado o mais breve possível, porque agora tudo pode acontecer.

Bruna.

Anúncios

Resenha: O Poder dos seis – Pittacus Lore

O_PODER_DOS_SEIS_1321115282P

“O planeta Lorien foi devastado pelos mogadorianos, e seus habitantes, dizimados. Exceto nove crianças e seus guardiões, que se exilaram na Terra. Eles são como os super-heróis que idolatramos nos filmes e nos quadrinhos – porém, são reais. O Número Um foi morto na Malásia. O Número Dois, na Inglaterra. E o Número Três, no Quênia. Tentaram pegar o Número Quatro, John Smith, em Ohio, e falharam. Em O poder dos seis, John e a Número Seis se recuperam da grande batalha contra os mogadorianos, de quem ainda fogem para salvar a própria vida. Enquanto isso, a Número Sete está escondida em um convento na Espanha, acompanhando pela Internet notícias sobre John. Ela se pergunta onde estão Cinco e Seis, imaginando se um deles é a garota de cabelo preto e olhos cinzentos de seus sonhos, cujos poderes vão além de tudo o que ela já imaginou, aquela que tem a força necessária para reunir os seis sobreviventes.” – Skoob

Cuidado esta resenha contém Spoliers do livro “Eu sou o número Quatro”.

Depois da batalha na escola, de perder seu Cepân, quase perder Bernie Kosar, e ter de afastar de Sarah, Jonh  agora está a caminho do ponto alto de sua missão, encontrar e matar Serakus Rá, mas mesmo sem seu Cêpan, ele não está sozinho, Seis e Sam estão ao seu lado, para o que der e vier.

A continuação de “Eu sou o número quatro”, começa com a revelação da número Sete, ou Marina seu nome “terrestre”, e sua história, bem diferente das de Seis e John.

Marina e sua Cêpan Adelina, passaram maus bocados depois de chegarem a Terra, até serem acolhidas em um convento, onde Marina fica, pelo que se entende de sua narrativa, até os 17 anos.

Sua Cepân perde a confiança em sua missão, e a abandona, sem ajuda-la a descobrir seus legados e treina-los, ela tem que se virar totalmente sozinha.

Enquanto isso Sam, Seis e Jonh descobrem através de uma carta de Henry, que o pai de Sam ajudava os Lorienos, e as suspeitas dele que o pai tinha sido abduzido por aliens se confirmam.

Não posso contar mais, senão acaba com toda a emoção, mas o livro revelam fatos que podem mudar totalmente o rumo da história, e começa a reunião dos Gardes para a batalha “final”.

O livro te prende por sua narrativa totalmente diferenciada do primeiro livro da série. Nesse as histórias são narradas por Seis, Marina e Jonh, e sempre param quando você fica sem folego, e só retornam dois capítulos a frente.

É uma ótima continuação, mais eletrizante que a primeira, que quando se aproxima do final fica mais difícil de largar, e quando acaba, você já fica querendo a “ Ascenção dos Nove”, porque o gosto de quero mais permanece.

Obs: Boatos dão conta que este livro também vai virar filme, minha opnião sobre o FILME ” eu sou o número quatro”, será feito em vídeo.

Bruna

Resenha: Eu sou o número quatro – Pittacus Lore

eusounumero4

“Nove de nós vieram para cá. Somos parecidos com vocês. Falamos como vocês. Vivemos entre vocês. Mas não somos vocês. Temos poderes que vocês apenas sonham ter. Somos mais fortes e mais rápidos que qualquer coisa que já viram. Somos os super-heróis que vocês idolatram nos filmes e nos quadrinhos — mas somos reais. Nosso plano era crescer, treinar, ser mais poderosos e nos tornar apenas um, e então combatê-los. Mas eles nos encontraram antes. E começaram a nos caçar. Agora, todos nós estamos fugindo. O Número Um foi capturado na Malásia. O Número Dois, na Inglaterra. E o Número Três, no Quênia. Eu sou o Número Quatro. Eu sou o próximo.”

Esse é o primeiro livro de uma série de 3, mas há boatos que serão mais, de Pittacus Lore, nome fantasia do autor que logo nas primeiras folhas diz que os fatos narrados são reais, e os nomes foram trocados para resguardar as pessoas envolvidas.

Como o próprio resumo do Skoob dá a entender, a história gira em torno de nove pessoas, que foram misturadas entre nós, mas que tem poderes que achamos que só existem no cinema.

Esses jovens vieram de um planeta distante, Lorien, refugiados de uma guerra intergaláctica contra magadorianos, aliens do mal, que quando souberam do paradeiro das 9 crianças, começaram uma busca implacavel pela Terra, para mata-los antes que os seus poderes se desenvolvam.

A história parece bem ficção científica olhando por alto, mas quando você começa a ler não consegue parar. A narrativa te envolve, você torce pelo número Quatro, fica feliz quando ele começa a desenvolver seus legados e se coloca no lugar dele em algumas situações tipicas de sua idade, no livro ele tem 15 anos.

A lutas com os mogadorianos é de tirar o fôlego, você não consegue parar de ler até descobrir se todos os envolvidos vão sobreviver ou não, e como os legados dele podem ajudar.

O que torna a história mais emocionante é que, quando as 9 crianças foram mandadas a Terra os Anciões lançaram sobre elas um encantmento, elas só poderiam ser mortas em ordem crescente, se alguém tentasse matá-las fora da ordem, todo o ferimento que mataria a criança, matava o seu algoz.

Recomendo a leitura do livro, sobre o filme falarei mais para frente.

Espero que gostem.

Bruna